NEUROCIÊNCIA CONTEMPLATIVA

A tecnologia tem proporcionado um avanço importante na neurociência nos últimos 10 anos, hoje já é possível ver imagens do cérebro funcionando em tempo real possibilitando descobertas incríveis.

 

Novos campos dentro da Neurociência tem surgido, e entre eles a Neurociência Contemplativa que se dedica ao estudo do impacto da meditação na fisiologia cerebral e na regulação emocional.  Somente sobre Mindfulness já existem mais de 3 mil pesquisas publicadas por universidades de renome mundial.

Abaixo apresento alguns dados importantes de estudos científicos recentes comprovando os benefícios da meditação.

A Wandering Mind is an Unhappy Mind, Matthew A. Killingsworth, Harvard University, 2010

Estudo que analisou o processamento mental observou que a mente vaga em pensamentos passados e futuro em média 46,9% do tempo e isso está diretamente associado ao nível de ansiedade e depressão.  Quanto mais a mente se perde em pensamento, maior a tendência de desenvolver quadros de ansiedade e depressão.

Envelhecimento cerebral e meditação, Dra. Eileen Luder  em parceria entre a Escola de Medicina da UCLA e o Centre for Research on Ageing Health and Wellbeing, Australian National University, Canberra, Australia  

Neste estudo foram comparados a idade cerebral e os processos de envelhecimento natural em dois grupos: 50 meditadores de longo prazo e de 50 indivíduos de controle. Observou-se que, aos cinquenta anos, cérebro de meditadores estão fisiologicamente 7,5 anos mais jovens do que os dos controles, além disso para cada ano adicional após os cinquenta anos, o cérebro dos meditadores aparenta um mês e 22 dias mais jovem do que sua idade cronológica. Em conjunto, esses resultados sugerem que a meditação é benéfica para a preservação cerebral, proteção eficaz contra a atrofia relacionada com a idade, com uma taxa constantemente mais lento de envelhecimento do cérebro ao longo da vida.

Mindfulness can literally change your brain, Sara Lazar, Christina Congleton, Britta Holzel – 2015, Harvard University  

Estudo submeteu os participantes a 8 semanas de práticas de 10 a 15 minutos de meditação diária, identificou aumento da massa cinzenta, diminuição da resposta da amidala cerebral, deixando a pessoa menos reativa capaz de tomar decisões mais racionais